Ourique FM

Trailer

07/09/2017

Nuno Alcobia

Luzes, Câmara, Acção! 

   

O Trailer está de volta. É com imensa alegria que regresso a este espaço onde o cinema tem voz.

 

O que tem acontecido nos últimos tempos…

 

 

O Festival de Cannes vai de vento em popa, o MOTELx, comemora o seu décimo primeiro ano. Para o fim deste festival, vai haver uma sessão de encerramento de luxo: IT – Palhaço Assassino, o filme de terror que estreia brevemente, faz o devido encerramento. O mestre do horror, Stephen King, já viu IT duas vezes e confessou que não estava preparado para um filme tão bom! “Tenho a certeza que os meus fãs vão gostar do filme. Acho que vão mesmo gostar do filme. E acho que alguns deles vão voltar mais duas ou três vezes para o poderem saborear. Eu voltei uma segunda vez e senti-me como se estivesse a ver coisas que me tinham escapado da primeira.”

 

 

 

A película também faz honras no Cine-teatro Sousa Telles, para o dia 31 de Outubro, noite de Halloween.

 

É o tempo da rentrée cinematográfica. Já a pensar nos Óscares, os filmes de Outubro a Dezembro certamente irá inundar as telas de cinema com os títulos mais sugestivos.

 

Aguarda-se com expectativa as estreias dos filmes de  Ridley Scott e Steven Spielberg.

 

Blade Runner 2049 de Ridley Scott, a sequela dirigida por Denis Villeneuve que chega em Outubro, avança 30 anos sobre os eventos do primeiro filme. Ford está de regresso ao lado do novo caçador de replicantes: Ryan Gosling. 

 

A não perder, Detroit, da oscarizada realizadora Kathryn Bigelow.

 

Uma palavra de satisfação pela pujança do cinema nacional. Vários títulos fazem estreia nos meses que se seguem. A nova fita de Joaquim Leitão, em exibição, Índice Médio de Felicidade, A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho,    Al Berto, de Vicente Alves do Ó, e Colo, de Teresa Villaverde.

 

E para Novembro, Peregrinação de João Botelho a partir de Fernão Mendes Pinto.

 

O grande destaque do trailer para hoje é o filme, De Braços Abertos.

 

A nova comédia do mesmo realizador que nos trouxe o sucesso de verão em 2014, Que mal fiz Eu a Deus.

 

Um casal de elite que decide aceitar em sua casa pessoas em necessidade. O que não esperavam é que fosse uma exuberante família de ciganos a bater-lhes à porta.

 

 

Christian Clavier interpreta brilhantemente. Agarra o espectador muito facilmente. As peripécias que podem ser visionadas naquela casa não lembram ao diabo.

 

Desde um porco na cozinha, à filha que ninguém se pode aproximar, porque tem de chegar virgem ao casamento. O pior está para acontecer, o filho do dono da casa encanta-se pela miúda, e mais, ela encanta-se com o rapaz. E fogem, casam-se. Eventualmente serão felizes, e termina em clima de grande festa o respectivo casamento, não fosse este um casamento de ciganos. A alegria é contagiante, já para não falar dos temas musicais que acompanham a trama. Um verdadeiro regalo. Apesar de ser uma fita francesa, que normalmente o publico português não aceita com grande ligeireza, certamente vai ficar “agarrado.” O número de espectadores diz isso mesmo, funciona o passa a palavra, e o filme vai mantendo-se apesar de já estar com um mês de exibição nas nossas salas de cinema…e ainda bem.

 

 

 

Esta é a Rádio Ourique de mão dada com a sétima arte.

Saudações cinéfilas!         

No Ar